segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

Vizinhos de Outro Mundo - Histórias de ET's

AH! A semana esta cheia de mistérios e contatos de outro mundo, algumas criaturinhas vindas do espaço vão invadir o blog para contar suas peripécias na literatura, nas telonas e principalmente no imaginário dos terráqueos. Preparados? Vamos começar por algumas visitas famosas que eles fizeram ao nosso planeta, muitas delas foram registradas, porém é complicado para os ufólogos afirmarem quais histórias são verídicas, ou não, pois existe um grande número de fraudes que só servem para atrapalhar as pesquisas, mas separei 3 histórias que ficaram muito famosas devido a veracidade dos fatos, então, vamos começar o nosso contato com o outro mundo?!


Ilha da Trindade (ES) - 1958
O fotografo Almiro Baraúna foi convidado pela Marinha do Brasil para participar de pesquisas oceanográficas na Ilha da Trindade, a bordo do navio tirou quatro fotografias de uma nave luminosa sobre a ilha. Apenas duas pessoas confirmam a versão do fotografo sobre a aparição do objeto próximo ao meio-dia se movendo em alta velocidade. Os depoimentos são controversos e diversas pessoas afirmam que o fotografo assumiu que foi uma fraude, mas não foi provado que as fotografias realmente são falsas, apenas um depoimento contra o outro.


Niterói (RJ) - 1966
Dois corpos foram encontrados em um morro, os homens vestiam ternos e capas impermeáveis, ao lado tinha garrafa vazia de água e um pacote com duas toalhas, o que intrigou as autoridades é que os homens usavam mascaras de chumbo para se proteger de radiação, o bloco de anotações com símbolos e números e uma carta com as instruções e horários que deveriam estar no local, tomar um remédio e proteger as mascaras. Testemunhas afirmam a presença de OVNI no local, mas nada foi provado. 


Varginha (MG) - 1996
Após um aviso do Comando de Defesa Aeroespacial da América do Norte sobre possíveis sobrevoos na região, ocorreu a aparição de diversas naves e a captura de um extraterrestre vivo pelos militares, o fenômeno teve centenas de testemunhas, dando a cidade a fama de Terra do ET. Os moradores relatam ainda que chegaram a conversar com alguns deles e que o ET capturado foi levado ao hospital local em estado crítico. As autoridades dizem que o caso é mentira.

Até o nosso próximo contato!

domingo, 28 de fevereiro de 2016

[Série] Fuller House

 

Quem pode segurar a emoção ao ver a família Tanner, Katsopolis e Gladstone reunida novamente após 20 anos? Famosa nos anos 80 e 90 a série Full House - resenha - volta a encher nossos corações de risadas e fofices com a sua nostálgica continuação respondendo o que aconteceu com os personagens após tanto tempo. O elenco é o mesmo (menos as irmãs Olsen) e o cenário é idêntico, os fãs são levados em uma viagem pelo tempo, relembrando as velhas piadas e os abraços em excesso. 

O primeiro episódio é o grande encontro, todos os personagens vão aparecendo respondendo o que aconteceu durante esse tempo. O Jesse e a Becky continuam casados, os gêmeos estão na faculdade, ela e o Danny estão apresentando o Acorda Los Angeles!, consequentemente todos estão morando na cidade. Joey é comediante em Las Vegas, continua usando pijama de pernalonga e com o castor de companhia. A Michelle virou a filha ingrata e não apareceu na reunião, constantemente o elenco faz alguma piada sobre a recusa das atrizes em participar dos episódios.


A história sai do foco dos três solteirões tentando educar as três menininhas, para o das três solteironas tentando educar os três menininhos. O enredo se repete, apenas muda os gêneros. D.J. Tenner perdeu o marido recentemente em um incêndio (ele era bombeiro), viúva e com três filhos para cuidar ela se sente perdida com tantas responsabilidades e sozinha (a história de Danny se repete). Steph se tornou a DJ Tenner, toca nas festas mas cobiçadas do mundo, viajada e com a agenda lotada larga tudo para dar uma forcinha para a irmã (o espirito aventureiro do Tio Jesse se repete).

Kimmy Gibbler, a intrusa inconveniente, retorna recém-separada e com uma filha, dona da empresa Estilo Gibbler virou especialista em festas. Vendo o desespero da amiga D.J. se muda para a casa dos Tenner realizando seu sonho de morar com a família (o jeito engraçado do Joey se repete). Ramona é filha da Kimmy com um argentino, ela agora é a figura inconveniente do enredo, mimada e cheia de vontades ela irrita diversos personagens com o seu jeito.


As crianças ficam para o Tommy, o bebe fofinho que todos querem apertar, interpretado por gêmeos novamente. O Max é o filho do meio que está sempre insistindo e cometendo mancadas, comunicativo e cheio de bordões puxou a mania por limpeza do avô Danny. O mais velho é o Jackson, o garoto tem 13 anos e começou a dividir o quarto com o irmão mais novo, responsável e protetor começa a se interessar pelas garotas. 

O enredo vai se repetindo e a sensação nostálgica vai se fortalecendo, Kimmy e D.J. parecem presas ao passado, cheia de bordões dos anos 80, elas vivem recordando o que faziam na época. Os móveis são praticamente os mesmos, nada foi modernizado, até mesmo o sofá, as coisas continuam em seus lugares, parece que no último episódio saíram e só retornaram agora, 20 anos depois.  Os episódios parecem um remake da primeira versão, algumas histórias são idênticas aos episódios passados, tendo apenas uma pequena atualização.


A modernidade ficou em alguns detalhes como o uso dos Smartphone e o vício por eles, mas nada que tirasse aquele ar nostálgico. Fiquei muito feliz em perceber que a modernidade se restringiu aos detalhes, acredito que se a família tivesse em um ambiente tecnológico o reencontro perderia o sentido, apesar do trio principal fazer apenas participações no decorrer dos episódios, o novo trio consegue passar a passagem de tempo e as raízes fortes.

Alias, perceber que o trio inicial fez um ótimo trabalho educando as meninas é maravilhoso, ver que os princípios e os abraços coletivos são mantidos, é sensacional! Assistir a "continuação" é brincar de memória, identificar todas as referencias dos episódios anteriores, os bordões, os jeito dos personagens, alias, acho que a Netflix não quis fazer uma atualização da série, mas trazer esse ar nostálgico mesmo, essa sensações saudosista. #MuitoAmorEnvolvido

sábado, 20 de fevereiro de 2016

[HQ] Anderson Lauro, Garotos Não Choram, mas... ficam passados!

Anderson Lauro 3

Personagem conhecido pelos leitores do Jornal O Povo, Anderson Lauro é um garoto de 7 anos apaixonado pela Madonna, o ursinho Pompom e o Felipe, claro! Muitas vezes a tirinha passou desapercebida pelos leitores, saiu da coluna de tirinhas do caderno de entretenimento Buchicho e foi parar na coluna Cena G, onde finalmente assumiu sua personalidade e ganhou voz.

O Anderson Lauro conquistou a todos devido a sua ingenuidade, um mundo que dita o que é "de menina" e o que é "de menino" faz com que ele tente se salvar reafirmando o que gosta de verdade, mesmo com represarias e precisando esconder as suas escolhas. O assunto é tratado de forma bem realista, as falas são comuns e ocorre uma identificação com os leitores.

Anderson Lauro 2

Ele é apaixonado pelo Felipe, um garotinho da escola, mas a amizade é constantemente reprimida pelos adultos, afinal, meninos jogam futebol, não brincam de pega-pega e bonecas. Ele adora se maquiar, cozinhar e ama a Madonna, mas ninguém pode saber disso. Seu melhor amigo é o Pompom, seu fiel companheiro, mas dizem que garotos não brincam com ursinhos. Na escola ele sofre preconceito, ninguém entende as suas escolhas e logo dão apelidos a ele.

Cada tirinha contêm dois quadros e o foco são nas expressões do Anderson Lauro, que muitas vezes aparece com uma lágrima no canto do olho. Os demais personagens como o Felipe e os pais do garoto aparece em formas de detalhe, talvez seja uma forma do autor dizer que o importante é o Anderson e a sua forma de ver o mundo.

Anderson Lauro 1

Talvez pela idade do personagem e o tamanho das histórias, não tem espaço para desenvolver algo que mostre o entendimento dele sobre o preconceito e o que ele faz sobre isso, mas é possível abrir diversos debates usando como base as tirinhas. Os pais do personagem relatam sentir vergonha do garoto, a escola faz diversas advertências sobre o seu comportamento e o Anderson é isolado das brincadeiras constantemente.

O cartunista Denilson Albano foi bastante sensível ao criar o personagem, apesar da estereotipação do mesmo, as tirinhas se tornam ricas devido o tema e a realidade que o mesmo é abordado. O livro é uma coletânea das tirinhas publicadas no jornal e eu só tenho que pedir é que venham mais personagens inspiradores como o fofo Anderson Lauro.

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

[Livro] Reis & Imperadores - Org. Selene Blanchard

reis e imperadores

Antes de iniciar a resenha fiquei me questionando qual a figura histórica que me fascinava, podia responder o nome de alguma figurinha que lutou pela paz e pela igualdade, mas confesso que as histórias que sempre atiçaram a minha curiosidade são as relacionadas a golpes políticos, aqueles grupos que se articulavam para conseguir conquistar o poder, custe o que custar. Claro, tais atos não são louváveis, mas entender como tudo aconteceu e conhecer o seu desfecho é no mínimo fascinante.

A coletânea Reis & Imperadores tem a proposta de mostrar algumas personalidades históricas de forma singular, fugindo um pouco do que lemos nos livros de história e dando margem a nossa imaginação. São quatro contos regados de amor e ódio organizados pela blogueira Selene Blanchard - Blog Moda e Eu - que é apaixonada pelo imperador Júlio Cezar, o ditador romano que ficou conhecido pela transformação do Império e pela traição de Bruto.

reis e imperadores 3

O primeiro conto retrata o imperador como uma figura fria e narcisista, confiante de seu poder tem a certeza que todos estão em suas mãos, inclusive sua esposa que é humilhada constantemente por Júlio Cezar. Sobre os olhos de Júlio Cezar, de Selene Blanchard, mostra como algumas coisas passam desapercebidas por nossos olhos.

Baile de Máscaras, de S. S. Days, relata a paixão que uma das escravas de Júlio Cezar nutre pelo imperador, ser só mais um capricho dele não era o suficiente, ela queria mais e o baile iria ser o cenário ideal para colocar o seu plano em prática e ter o imperador em suas mãos.

reis e imperadores 2

O conto mais curtinho, mas que eu desejei que a Silvana Brito enchesse mil páginas com cada detalhe de O Rei Que Virou Bicho, a história fascinante do Rei Nabucodonosor que desafiou as leis de Deus e teve que se transformar, literalmente, para aprender a ser mais humilde e reconhecer a sua fragilidade. Só amor por esse conto, geeeente!

O último é da minha conterrânea [Fortaleza - CE] Tamires Branu - Blog INtocados - com o conto Sagaz, Sagacidade. Dessa vez nosso protagonista é o Imperador Henrique VIII que obcecado por um herdeiro corrompe a igreja em busca de apoio para trocar de esposa e assim continuar tentando ter um filho homem para sucede-lo, mas o inesperado acontece e as lágrimas lhe levam a loucura. 

reis e imperadores 4

No geral os contos são bem interessantes, os enredos são redondinhos e de fácil leitura, o que me incomodou foi a diagramação, não existe um objeto gráfico que separe um conto do outro, se você só folhear parece que existe apenas um texto e não vários, senti falta dessa adequação ao estilo do livro e da foto da capa a época da temática, pelo menos eu busco fazer essa adequação quando diagramo os livros/fanzines. Apesar desse detalhe, os envolvidos estão de parabéns a qualidade do material está excelente e os textos envolventes.