Capsula de Banca

sexta-feira, 23 de setembro de 2016

[Livro] O Teorema de Katherine - John Green


Tudo começou com uma confusão, aluguei o livro O Teorema de Katherine porque queria assistir o filme, só que após algumas páginas tediosas fui atrás do filme para tentar me animar a terminar a leitura, foi ai que descobri que tinha confundido Cidade de Papel com a história das Katherines, então me senti obrigada a continuar a leitura, pois não queria devolver o livro sem saber o final e John Green é John Green, então devia ter algo de sensacional no meio do enredo.

Colin Singleton é um garoto chato que só pensa no próprio umbigo, no quanto ele é inteligente e o quanto ele é sensacional. Agora ele ta deitado no chão do quarto chorando o pé na bunda que levou da 19º Katehrine, tentando entender o porque ela terminou com ele, afinal, ele sempre fazia anagramas com as palavras e decorava fatos inúteis sobre as coisas.

Ser um gênio não era o suficiente, era necessário fazer uma grande descoberta para se fazer história, ter o seu nome nos livros e nos meios acadêmicos, era preciso ter o momento Eureka, fazer a grande descoberta e padronizar o feito. A vida de Colin já era uma padronização, ele namorou 19 meninas chamadas Katherine, K-A-T-H-E-R-I-N-E, escrito desse jeitinho e todas elas terminaram o namoro com ele, cabia ele agora descobrir qual o teorema matemático dessas relações.

O terminante e o terminado são os fatores básicos que definem um relacionamento, mas existem outras características que influenciam como vai ser essa relação e era esse detalhe que Colin esquecia, o mundo não estava perfeito apenas com o Colin namorando a Katherine, tinha muitos outros fatores envolvidas, mas jogado no chão do quarto aos prantos, a única coisa que ele conseguia pensar era que a 19º podia ligar e pedir desculpas por ter acabado com ele.

Ao entrar no quarto e ver Colin jogado no chão pela 19º vez, Hassan Harbish teve que tomar uma atitude, os amigos iam embarcar no Rabecão de Satã e fazer uma longa viagem, sem destino e sem propósito, apenas dar um tempo e esfriar a cabeça. A estrada era uma boa companhia, ele finalmente ia poder esvaziar a cabeça e pensar como ele iria reconquistar a 19º Katherine, ou no mínimo conseguir elaborar o Teorema Fundamental da Previsibilidade das Katherines.

No final da estrada uma placa apontando para a visitação ao túmulo do Arquiduque Francisco Ferdinando, uma atração turística sem graça, mas que pareceu uma boa ideia para matar o tempo. Na lojinha de souvenir encontraram a Lindsey Lee Wells leitora da revista Celebrity Living, uma caipirona que ia guiar a visita dos rapazes, percurso que ia dar uma direção a viagem e as escolhas deles.

Preciso falar que o começo do enredo é extremamente chato e massante, pensei mil vezes em abandonar a leitura, mas estamos falando do famoso John Green, então algo aquele livro tinha que ter. Então apareceu Lindsey e eu me apaixonei pela personagem, mas em seguida vinha Colin e toda a sua chatice e me fazia pensar em abandonar a leitura novamente.

Tem um ponto que a história da uma virada e o enredo começa a ganhar ritmo e fluidez, finalmente apareceram as cenas memoráveis e os personagens começaram a aparecer de forma mais crua, livre de esteriótipos e fixações confusas, os diálogos eram mais ricos de sentimentos e confusões, finalmente eles estavam se permitindo viver sem cobranças.

Nessa virada percebi que John Green estava bem ali, finalmente tinha achado o escritor que ficou conhecido por seus romances viciantes, acredito que ele pecou ao escolher um protagonista tão chato, no humor sem graça das notas de rodapé, até mesmo na repetição da palavra fug/fugger/fugging incansavelmente, mas John Green estava bem ali deixando as última cenas memoráveis. 

Se quer saber, o livro O Teorema de Katherine daria um ótimo filme, resumiria a primeira parte em poucos minutos e o restante ocuparia o longa quase todo, adicionaria algumas cenas extras, principalmente as da caverna, faria aquela magia de quando o personagem se conecta com o público. Finalmente terminei a leitura e consegui entregar o livro com aquela sensação gostosa de quando o final te conquista. 

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

[Dicas do Coração] Lista de Sites Aliados da Edição de Imagem

Se tem uma coisa extremamente útil na minha vida, tanto como blogueira como profissional, são os sites de edição online, ou aqueles sites que te ajudam na hora de escolher o que usar na edição. Claro que eles não substituem os programas originais, muito menos a sua capacidade de escolha baseada em dezenas de teorias e estudos de imagem, mas quebram aquele galho na hora de fazer artes simples e rápidas. Selecionei os que eu mais uso para você favoritar e descobrir que o mundo da edição pode ser bem simples, é só ter as ferramentas certas e começar a criar. Voilà! ;)


- Photoshop Online
Posso dizer que ele é um dos meus sites favoritos quando o assunto é edição rápida, consigo redimensionar uma imagem, colocar texto, adicionar filtros, mexer na sua saturação em apenas algumas combinações de cliques. Sua interface é bem simples e possibilita ao usuário uma gama de possibilidades, é totalmente gratuito e semelhante ao Adobe Photoshop.


Ele te oferece diversas possibilidades de montagens e colagens, até a pessoa mais leiga consegue fazer trabalhos incríveis utilizando o site como aliado. Sua galeria já oferece imagens e layouts prontos, mas também é possível adicionar outras imagens do seu computador e mesclar com o que ele te oferece. Algumas imagens e recursos são pagos, mas a maioria é livre e ainda oferece os tamanhos padrões que atendem os diversos tipos de arte.


- Paletton
Ele é um dos grandes aliados quando o assunto é desing, o site te oferece uma paleta de cores que você pode verificar qual a cor que combina com qual, escolher se você quer uma sugestão monocromática, tetra, ou quantas quiser. É possível pegar os códigos RGB hexadecimal para usar nos programas e calibrar a angulação. O site é totalmente gratuito e indispensável!


- Adobe Color
Outro site que traz a paleta de cores para te ajudar na escolha das combinações, o interessante é que existe a opção de carregar imagem para que seja feito essa combinação de acordo com a imagem enviada. Ele também traz o código RGB hexadecimal como o anterior, mas fornece as opções de códigos CMYK, LAB e HSB também. O site é gratuito e da família Adobe.

domingo, 18 de setembro de 2016

[Divulgação] Lançamentos Editora Nemo

Entre tantos lançamentos maravilhosos da Editora Nemo, separei aqueles que se destacam por sua delicadeza e sensibilidade, será que você vai ser capaz de escolher apenas um? Eu não :)

O ENTERRO DAS MINHAS EX - Gauthier
Algo não vai bem na vida de Charlotte. Na escola, ela se sente diferente das garotas de sua idade, e mesmo com o passar dos anos a incompreensão sobre si mesma persiste. Em sua cabeça, amor e amizade se confundem.

Nesta delicada e comovente narrativa gráfica, Charlotte relembra seus relacionamentos com outras garotas, desde as paixonites da infância até o início da vida adulta. Com suas vivências, ela passa a se compreender melhor e desbravar um mundo desconhecido, cheio de intolerância, arrogância e rejeição, mas também repleto de liberdade.


ENTRE UMAS E OUTRAS - Julia Wertz
Nesta inebriante graphic novel autobiográfica, Julia Wertz documenta o ano em que decidiu ir embora de São Francisco, sua cidade natal, para ganhar as ruas desconhecidas de Nova York. Mas não se engane: esta não é aquela história manjada de redenção da jovem que supera todas as adversidades ou bobagens desse tipo. É um livro pra lá de engraçado – às vezes incisivo, é verdade –, repleto de ilustrações divertidas, de um humor ácido e de muita autodepreciação. De quadrinho em quadrinho, Wertz passa por quatro apartamentos toscos, sete empregos sofríveis, problemas familiares, viagens fracassadas e uma infinidade de garrafas de uísque.


A GIGANTESCA BARBA DO MAL - Stephen Collins 
Na ilha de Aqui tudo é meticulosamente organizado e certinho. As ruas são asseadas, a grama é bem aparada e os homens são rigorosamente barbeados.

Dave não foge à regra. Tem um emprego que lhe permite pôr em prática todo o seu senso de organização, bem como distrair a mente de pensamentos indesejáveis, e encontra paz numa rotina totalmente ordeira.

Num dia fatídico, porém, Dave se vê como a raiz de um gigantesco problema: uma barba que irrompe de seus poros e desafia a lógica e a ciência. Logo ela se tornará uma questão de segurança pública e irá abalar as estruturas de Aqui, figurativa e literalmente. Uma fábula arrojada, que faz lembrar Roald Dahl e convida a refletir sobre algumas das questões humanas deste século.
UMA MORTE HORRÍVEL - Penélope Bagieu
Zoé trabalha em excesso e ainda precisa suportar o namorado desempregado e grosseiro. Até que cruza o caminho de Thomas, um escritor de sucesso à procura de inspiração.

Nada intelectual, ela não sabe diferenciar Balzac de Batman, mas vai ter que ficar esperta… porque Thomas esconde um segredo que coloca Zoé no meio do que pode se tornar o escândalo literário do século.

De uma das quadrinistas mais conhecidas da França, Uma morte horrível é uma história de amor e ambição com uma heroína inesquecível.

quarta-feira, 7 de setembro de 2016

Bel Pesce, a Bomba de Ansiedade, o Tempo e o Mundo

 

an-si-e-da-de, substantivo feminino para denominar um mal-estar físico e psíquico. Aflição por não conseguir aproveitar 100% do tempo de forma eficaz. Agonia por não conseguir abraçar o mundo com as pernas e fazer tudo que se planeja. O mal do século também me acomete e por mais que eu me esforce para fazer tudo - ao mesmo tempo, aqui e agora - sempre me sinto frustrada por não dominar a arte do multiplicador de tempo e foco.

Nessa semana vendo toda a repercussão das notícias sobre a Bel Pesce, lembrei de quando escutei falar pela primeira vez sobre a "Menina do Vale", fiquei incrivelmente espantada pelo fato dela ser mais nova do que eu e já possuir 5 graduações, 1 mestrado, 4 livros e várias empresas (algumas funcionando e outras vendidas), mas em nenhum momento tive o trabalho de pesquisar sobre o que de fato ela tinha feito, ou o que ela tinha estudado, só sabia dos números.

Raramente consumia seus conteúdos, li seus e-books (detestei) e assisti uma de suas palestras no Fórum IEL de Carreiras (amei), assimilei suas falas sem questionar, só decorei os números, os nomes importantes, os grandes feitos e me sentia frustrada por não ter aproveitado melhor o meu tempo. Olha essa garota chamada Bel, multiplicou o tempo e abraçou o mundo com as pernas! Nossa, como toda essa falação era incrivelmente deprimente.


Olha, te contar uma coisa, quem sofre de ansiedade participa involuntariamente de várias corridas imaginárias, as vezes a linha de chegada simplesmente não existe, apenas o motivo da corrida. A prova que resolvi participar e bem parecida com a trajetória da Bel, ver que é possível multiplicar o tempo e abraçar o mundo com as pernas é sensacional, mas constatar que nessa corrida eu estou praticamente paralisada e cansada, é como jogar uma bomba de ansiedade no meu colo. Vamos! Vamos! Corre menina! Rápido que o tempo está passando!

Depois da água fria que jogaram na carreira dela sobre a veracidade de seus feitos, fui questionada por uma colega sobre a história dessa tal "Menina do Vale" que tanto falavam, falei sobre os números e os nomes importantes que ela colecionava em seu currículo, essa colega me pediu mais detalhes, eu simplesmente não sabia o que responder, não sei como funciona os cursos do MIT, não sei que empresas são essas que ela cita, não sei o que ela faz de fato, só sabia que os livros eram de auto-ajuda e que continham nomes famosos do empreendedorismo. 

Nossa! Admirava uma trajetória que eu só conhecia os números! Fiquei me questionando como eu achava incrível feitos que eu nem sabia como funcionava e me sentia mal por estar tentando, coloque TENTANDO + SUOR ai, concluir minha segunda graduação e minha primeira especialização, me sentia mal por não ter conseguido otimizar tanto o meu tempo a ponto de aumentar números ou colecionar empresas. Definitivamente não tinha conseguido abraçar o mundo com as pernas.

É incrível como valorizamos a grama do vizinho sem nem saber o que de fato acontece do outro lado, vemos apenas um sorriso amarelado e talvez uma pastagem esverdeada, não verificamos como isso aconteceu, mas VOILÀ já estamos com a sensação de derrota, correndo alucinadamente para ter uma grama verdinha e um sorriso amarelo. Esquecemos apenas de parar, respirar e olhar em volta e valorizar tudo que foi construído, batalhado e que é real. O tempo foi multiplicado e o mundo foi abraçado.

O respingo da água fria também chegou desse lado, os números e as conquistas também acontecem por aqui, mesmo que a ansiedade me deixe com uma sensação de esgotamento, mas elas também chegam aqui, basta respirar e olhar para os lados, elas chegam! Não sei se a carreira da Bel Pesce é falsa, ou verdadeira, só tenho certeza que os números que ela tanto vangloria é uma bomba de ansiedade para qualquer pessoa.

Todos os livros da Bel Pesce estão disponível aqui:
DOWNLOAD GRATUITO

terça-feira, 6 de setembro de 2016

[Divulgação] Garras com Sangue - INSCRIÇÕES ABERTAS


Hoje trago uma novidade para vocês, a Darda Editora repaginou a sua marca e agora tem um selo especial para as suas coletâneas, aproveitando a novidade convido a todos os apaixonados por lobisomens a enviar seus textos para a coletânea Garras com Sangue, uma grande oportunidade de ver o seu trabalho sendo publicado por uma editora de qualidade.

GARRAS COM SANGUE
O silêncio se rompe por gritos de horror em locais outrora calmos. Reza a lenda que caminha em noites de lua cheia, à procura de sangue, obedecendo aos seus instintos, uma criatura metade lobo, metade homem: o lobisomem, que pode ser um conhecido, ou alguém de fora, ou até mesmo você... E hoje é noite de lua cheia... Quem poderá escapar dessas garras ávidas por sangue para contar sobre esse macabro e indesejável encontro?

- Organização: J. Paulo C.
- Acesse o EDITAL | Ficha de Inscrição AQUI
- Inscrições abertas até 31/10

NOVOS CONTATOS - DARDA EDITORA:
- Atendimento: contato@dardaeditora.com.br
- CDE - Coletâneas Darda Editora: coletaneas@dardaeditora.com.br
- Selo infantil: dardakids@dardaeditora.com.br
- Serviços editoriais (capa, diagramação, ilustração e revisão): servicoseditoriais@dardaeditora.com.br

sexta-feira, 2 de setembro de 2016

[Cinema] Colegas + MONO

Filme lançado em 2013, logo me chamou atenção por sua singularidade, fiz planos para aprecia-lo no cinema, mas por empecilhos da vida, acabei não indo, até que a Netflix liberou essa belezinha para satisfazer a minha curiosidade. Colegas é uma comédia brasileira dirigida por Marcelo Galvão, sendo o primeiro filme brasileiro protagonizado por atores com Síndrome de Down e inspirado no filme Pequena Miss Sunshine. 

Stalone quer ver o mar, Aninha quer se casar e Marcio quer voar. Os três colegas apaixonados por cinema fogem do instituto em que vivem para realizar seus sonhos, na estrada e sem nenhuma malícia os colegas se metem em diversas confusões se tornando os ladrões mais temidos da região, porém a desenvoltura dos três é recebida com grande festa pelo Instituto do Arlindo.

Os jovens buscavam realizar seus sonhos, mas conseguiram provar o sabor da liberdade, a sensação da total independência, experimentaram o mundo através dos olhos de Hollywood. É o tipo de filme que você torce pelos personagens, mesmo quando fazem coisas erradas, o enredo é tão leve que te faz manter aquele risinho do começo ao fim. Ah e a trilha é maravilhosa, daquelas que você quer escutar mil vezes e ela se resume em Raul Seixas, PERFEITO o nosso maluco beleza! 



A lógica é bem simples e comum aos filmes de colégio, os populares humilhando os nerds e os nerds acoados com ódio dos populares. O detalhe é que uma das nerds, que namorava outro nerd, trocou ele por um cara popular do time de futebol, se tornando o casal mais perfeitinho do colégio. O ciúmes foi decisivo quando o nerd traído descobriu que uma das amigas da sua ex estava com mononucleose, ou seja, a oportunidade perfeita de provar para ela que o jogador foi uma péssima escolha.
O plano era fazer com que todos os populares contraíssem a doença e se afastassem do colégio, então com a ajuda de mais dois amigos e um potinho cheio de vírus, começou a infecção em massa e a exclusão total dos populares por um mês do colégio. O que eles não esperavam é que com o lugar dos populares vago, eles iam se tornar os novos populares, os donos da festa e tudo ia sair do controle.

O interessante é que parece que todos os grupos possuem a sua função no funcionamento do grupo estudantil, caso uma dessas peças pare de funcionar, as outras entram em colapso instantaneamente, não sabem como agir, ou perdem a noção de limites. Os papeis podem se inverter, mas os mesmos grupos vão continuar existindo, os humilhados e os humilhadores. Vale a lembrança que o mundo gira, aquele que tá por baixo hoje, pode ser chefe amanhã ;)