quarta-feira, 15 de agosto de 2018

[SÉRIE] Insatiable


Calma! Assim que a série foi divulgada, a produção recebeu inúmeras críticas sobre o seu conteúdo gordofóbico, porém a atriz Debby Ryan (que faz a protagonista Patty) se pronunciou relatando o quanto ficou apaixonada pelo roteiro. Em seguida a criadora da série, Lauren Gussis, falou sobre a proposta de sua criação "‘Insatiable’ é fome, é o vazio profundo da sua alma que é impossível de satisfazer. É realmente sobre pessoas boas que tomam decisões ruins com base nesse vazio dentro delas". Então, calma! A série pode não ser sobre gordofobia.

Patty é uma menina acima do peso, que é agredida constantemente com insultos gratuitos por onde passa, seja na escola, nas ruas, ou até mesmo em uma lojinha de conveniência. Após quebrar o nariz de um mendigo por ele ter ofendido ela, ele revida quebrando seu maxilar com um murro, o que faz com que ela fique 3 meses em dieta líquida, o que resulta na perda excessiva de peso.


No outro ponto da história, Bob é um infeliz advogado que descobre sua verdadeira vocação como preparador de Miss para concursos de beleza, porém, após a acusação de pedofilia, vê sua carreira indo por água a baixo. Até que o caso de Patty aparece em sua mesa, a garota gorda que bateu em um mendigo indefeso.

O caso não ia só salvar a carreira de advogado de Bob, mas a de preparador de Miss também. Patty agora era uma ex-gordinha e sedenta por vingança, queria fazer mal a todos que um dia ofendeu ela por causa de seu peso e ganhar um concurso de beleza seria um tapa na cara das pessoas que um dia a chamaram de Patty Porpeta.


A série não é só gordofóbica, ela é pior! Além de exaltar a magreza, mostrando o quanto ela é mágica e essencial na felicidade das pessoas, a série trata a pedofilia como algo bobo, a protagonista (menor de idade) chega a afirmar que é mais fácil seduzir o Bob, pois ele é pedófilo, que não tem problema se envolver amorosamente com ele, nem que fosse preciso acabar com o seu casamento. 

Também nos deparamos com algumas "piadas" racistas como "você é minha esperança branca", ou cenas bizarras como a tentativa de incendiar um mendigo (parece familiar? Infelizmente, sim!), ou o sexo vingativo, ou a troca de favores sexuais. Ah e não podemos esquecer da estereotipação como o garoto oriental, nerd e bobo que nunca teve um relacionamento, ou a amiga lésbica que só ficou porque estava afim dela. 

A série passa bem longe de um humor ácido, ela é de extremo mal gosto e não acrescenta em nada. Decidi assistir a série depois que li a declaração da Lauren Gussis, torci para que fosse mais uma série com trailer questionável e o enredo surpreendente, mas não, a série fala apenas de pessoas podres fazendo maldade, personagens vazios que se sentem bem por serem repugnantes. Insatiable é totalmente desnecessário e ofensivo, SOS! 

sábado, 21 de julho de 2018

[QUADRINHO] Candy Machine - Dharilya

Em novembro, o quadrinho Candy Machine apareceu na sessão cola&bora do blog e hoje venho trazer a resenha dessa belezura para vocês. Já conhecia o trabalho da Dharilya dos coletivos e das feiras de quadrinhos locais, sempre fui apaixonada pelo traço dela, cheio de detalhes e delicado, adoro como ela mistura o terror com personagens fofinhos (mas nada enjoativo, ou infantilizado).

O enredo acompanha um garotinha na noite de Halloween que se perde na floresta ao buscar doces. Ao encontrar uma árvore com olhos, ela resolve se aproximar para ver melhor, mas ao procurar gostosuras, ela só encontra travessuras pelo caminho, inclusive uma casinha que lembra A Lojinha Mágica de Medos do Sr. Babau (quadrinho lançado anteriormente pela autora).

A publicação é em preto e branco, com alguns detalhes em laranja, impressa em folha lilás, mistura de cores que deu um charme a mais a publicação. A sobrecapa é preta com impressão cinza e corte vazado. Antes de ficar fascinado com a proposta do enredo e por ser uma historia muda, o leitor já fica em êxtase com a produção gráfica!

sexta-feira, 13 de julho de 2018

[LIVRO] Almanaque do Rock

Hoje, 13 de Julho, é comemorado mais um ano de vida para aquele jovem rebelde chamado de Rock and Roll. Um jovem contagiante, excitante e que nunca vai envelhecer ou morrer, enquanto tiver aqueles moleques fazendo zuada nas suas garagens. E nada melhor para comemorar a data, do que deliciando O Almanaque do Rock, escrito pelo grande Kid Vinil.

Lançado em 2010 pela Editora Ediouro, o Almanaque tem 250 páginas de puro Rock, tudo dividido em ordem cronológica, seguindo por décadas, iniciando lá na década de 50 com Chuck Berry, Jerry Lee Lewis e o rei Elvis Presley, encerrando em por volta de 2006 no auge do Emocore. Aqui no Brasil, passando pelos anos 60 onde surgiram as maiores bandas de rock de todos os tempos: Beatles e Rolling Stones, apresentou ao mundo o Psicodelismo do The Doors, apresentando para a eternidade os mitos Jimi e Janis e nessa mesma época o rock atingiu o mundo e desembarcou aqui com a Jovem Guarda do tremendão Erasmo Carlos e com a Tropicalia de Gil e Caetano, sem esquecer dos Mutantes.

A Década de 70 começa triste para o rock. No mesmo ano morrem aos 27 anos Jimi Hendrix, Janis Joplin e Jim Morrison, sem esquecer no anuncio do fim dos Beatles. Depois desses baques, o menino rock precisava se manter forte e pra isso apresentou ao mundo o camaleão do rock, David Bowie. E não foi só isso. Ele apresentou ao mundo o Queen e todo o estilo de Freddie Mercury. Na mesma época nasce o Progressivo e com ele a mais bem sucedida banda do estilo: Pink Floyd. Não podemos esquecer do inicio do Heavy Metal e junto deles bandas como Black Sabbath, Kiss, Dio, Alice Cooper e outros ícones do estilo. No fim da década, surge um dos meus estilos preferidos, PUNK ROCKKKKKK. ONE, TWO, THREE, FOUR. Toda a rebeldia dos Sex Pistols, The Clash, e Ramones apareceram e continuam influenciar as novas bandas.

Chegando nos anos 80, o Rock apresenta inúmeros estilos: SynthPop, New Romantic, Ska, Hardcore (meu outro estilo preferido), Gótico, Trash Metal, New Wave, eita que é estilo. E as bandas surgidas: Bruce Springsteen, A-HA, Duran Duran, The Exploited, Dead Kennedys, Joy Division, Metallica, Iron Maiden, Guns’N Roses, Bon Jovi, e por ai vai. No Brasil surgem bandas como Barão Vermelho, Ira! Titãs, Paralamas, Kid Abelha e tantas outras.

Os anos 90, foram marcados pelo som do grunge de Nirvana, Pearl Jam e outros, do rock americano de bandas como RHCP, Lenny Kravitz, The Offspring, RATM e lá na Inglaterra surgem o Britpop e o Indie Rock, com bandas como Oasis, ColdPlay, Travis e Radiohead. No Brasil, surge o Movimento Mangue Beat e a Nação Zumbi, aparece Skank, Planet Hemp e o mundo é apresenta ao mundo o Sepultura.

O livro encerra nos anos 2000 e toda a trajetória do Indie Rock que foi o estilo que mais marcou nessa década, destaca-se bandas como The Strokes, Interpol, Belle and Sebastian, Arcade Fire. No brasil, destaca-se o boom das bandas de Hardcore Mélodico como CPM22 e Dead Fish.

O Almanaque é bem resumido, de fácil leitura para qualquer iniciante do rock, mas também, escrito por um dos caras mais ativos no rock nacional que é o Kid Vinil, não poderia ter sido melhor. Então ainda é tempo de aprender e deixar ser contagiado por esse menino de mais ou menos 60 anos. Então vai lá, bota a velha fita de Hardcore para tocar e permita-se levar pelo som. Como diz o ditado, “Quem ta no Rock é pra se fuder”.

quarta-feira, 4 de julho de 2018

[COLA & BORA] Pornolhices | Sonhos em Conserva

Toda primeira quarta-feira do mês eu escolho alguns projetos que estão sendo financiados coletivamente para divulgar por aqui, mas a missão de escolher apenas dois ou três é bem difícil, a vontade é apoiar todos e ver essas belezuras se transformando em realidade. Esse mês escolhi uma HQ homoerótica sobre o Carlos Bastô e uma HQ fofinha sobre sonhos presos em potinhos. Sim, não está sendo fácil!

HQ - Pornolhices

Infelizmente, ainda é comum escutarmos histórias sobre pessoas que deixam sua sexualidade reprimida devido a pressão da família, com o Rafa não foi diferente, porém, encontrou na ilustração, uma forma de se expressar e começou a produzir quadrinhos homoeróticos.

Carlos Bastô é o nosso protagonista, o quadrinho relata suas desventuras sexuais de forma leve e bem humorada. O quadrinho é dividido em 3 partes, as duas primeiras já publicadas em suas redes sociais e em preto e branco, já a última é inédita e colorida.

A revista contém 48 páginas e formato 20 x 20 cm. Quem puder colaborar, além da revista impressa, poderá levar para casa marcador de páginas, adesivos, poster A4 e camisinha personalizada, além das ilustrações personalizadas. O projeto tá lindo! 



HQ - Sonhos em Conserva


Mais um projeto lindo da ilustradora cearense Dharilya e do quadrinista paulista Pedro, Sonhos em Conserva acompanha a aventura de um sonho que está cansado de viver em um potinho, foge e vai se refugir na floresta, local em que é perseguido por guerreiras-zumbis-vikings-das-trevas.

Os autores já libertaram vários sonhos, juntos lançaram em 2015 Relicário HQ, duas histórias independentes sobre sonhos e escolhas. E em 2017 lançaram Candy Machine, uma garotinha perdida na floresta na noite de Halloween.

A obra contém 40 páginas, impressa em tamanho A5 e capa colorida. Quem apoiar vai poder receber, além da HQ, prints, adesivos, marca página, artbook, originais e aquarelas. Para quem apoiar o projeto até dia 09.07 leva uma sketchbook (que é citada no vídeo). Muito amor pela delicadeza do traço desses dois!



quarta-feira, 4 de abril de 2018

[COLA & BORA] Vida Selvagem | Melaço | Fake

Não está sendo fácil! Toda primeira quarta-feira do mês eu escolho alguns projetos que estão sendo financiados coletivamente para divulgar por aqui, mas a missão de escolher apenas dois ou três está sendo bem difícil. Optei por dois romances e uma biografia, um homem enfrentando o mundo das drogas, romances melados e um salve a diversidade. Duas HQ's e uma literatura, diversos ilustradores reunidos para dar vida a mesma temática, porém com uma nova técnica, um novo enredo. Duas histórias sobre o universo LGBT e uma sobre vícios, nenhum preconceito, muita luta e sobrevivência. Inspirador!


HQ - Vida Selvagem

Os quadrinhos também são um instrumento para facilitar a comunicação entre a equipe médica e o paciente, foi pensando nessa característica que André Freitas planejou e ilustrou a biografia de Felipe Menduni e sua relação com as drogas inspirado nos 3 animais do AA.

O enredo mostra a relação de adictos (pessoas com vícios) com as drogas em três fases, o êxtase representado pelo coelho (ilustrado por Michel Ramalho), a apatia representada pelo urso (ilustrado por Mario César), e a auto destruição representado pelo porco (ilustrado por André Freitas). 

O projeto contem 64 páginas coloridas em tamanho 14,8 x 21 cm. Quem contribuir com o projeto, além do nome nos agradecimentos e a HQ, pode levar marcador de páginas, imã de geladeira, a HQ Ozman Nêmesis (enredo sobre um vampiro grego que vive em São Paulo), entre outros itens. O projeto é bem diferente e vale a pena apoiar! 



HQ - Melaço

O livro contêm sete romances de ilustradoras diferentes, estilos, personagens e abordagens únicas. Os enredos são curtinhos e redondinhos, mas todos falam sobre relacionamento entre meninas. A edição conta com o talento da Aline LemosBruna Morgan, Dani Franck, Dika Araújo, Jujuqui, Manu Negri, Talita Regis, Mtika e Lita.

As meninas escreveram e ilustraram as seguintes histórias: Eu gosto de você secretamente, P&T, Crushes, Domingo tem macarrão, Caem as máscaras, LDR e Carta. Algumas foram desenvolvidas em duplas e até em trios, vários olhares no mesmo enredo.

O projeto contém 120 páginas de abraços, beijos, tiros e amassos, capa colorida e miolo preto e branco, no formato 12,5 x 19 cm. Quem apoiar além de receber a HQ, pode receber adesivos, print A5, originais das autoras. Projeto lindo e envolvente, vale a pena apoiar!



Degustação da HQ Melaço Site da Aline Lemos | Instagram da Bruna Morgan | Instagram da Dani Franck | Instagram da Dika  Araújo  | Site Jujuqui |  Instagram da Manu Negri | Instagram Talita Regis | Twitter da Mtika | Site da Lita | APOIE ESSE PROJETO!

Livro - FAKE!

Contar, ou não para os pais que gosta de meninos? É uma questão bastante complicada para Téo. Com medo de desaponta-los, a decisão vai sendo adiada até um rapaz misterioso aparecer em sua vida, uma paixão que vai fazer com que ele cresça e encare a vida adulta de frente!

A segunda edição de Fake! está vindo revisada e com capítulos ampliados, o projeto contém 264 páginas e a capa é ilustrada por Clara Gomes. A primeira edição foi um sucesso, com diversas críticas positivas e desejos de mais histórias, ou seja, o projeto é bom e merece ser apoiado! Quem estiver disposto a apoiar o relançamento de Fake!, além do livro físico, você pode receber marcadores e postais.


Skoob | Facebook Felipe Barenco | Quadrinhos da Clara GomesAPOIE ESSE PROJETO!

segunda-feira, 2 de abril de 2018

True Crime: Histórias baseadas em casos reais

Empatia, a capacidade de se projetar no outro, de sentir, de reagir, de estar próximo, de tentar entender. Talvez esse seja um dos grandes desafios do mundo literário, construir histórias que causem empatia no grande público. Livros baseados em fatos reais já trazem uma carga emocional desde sua origem, mas um gênero está ganhando cada vez mais espaço no mercado editorial e na estante dos leitores: histórias criminais reais.

Crimes de grande repercussão geram empatia instantânea com o público, além do reforço midiático, os casos trazem uma explosão de sentimentos comuns a todos, como a ira, a luxúria, a ganância, a inveja. Mas o que faz um crime ser mais interessante que o outro? A proximidade com o caso, a forma que o autor contou e participou das investigações, na riqueza de detalhes, na visão que vai além do que a mídia ofereceu.

O interesse parte principalmente da tentativa de entender até que ponto a crueldade pode chegar, de como a ira se apresenta de forma incontrolável, passando por cima até dos laços de amor e se materializando na pessoa mais improvável. Diferente da ficção, que os personagens são criados para causar empatia, os livros baseados em casos reais mostram apenas o que realmente aconteceu, fazendo com que o público escolha, se deve ou não ter empatia pela história.

Crimes que abalaram o Brasil - George Moura e Flavio Araújo
No dia 7 de outubro de 1928, sob a garoa fina do porto de Santos, uma simples mala cai do guindaste de um navio que partiria para a Europa. Iniciava-se assim um dos mais macabros e misteriosos casos da crônica policial brasileira, que ficou conhecido como o "crime da mala". Essa é a primeira das sete histórias reais resgatadas no livro Crimes que Abalaram o Brasil, que a Editora Globo acaba de lançar. Alguns dos crimes que mobilizaram a sociedade brasileira ao longo de meio século são apresentados ao leitor em uma linguagem jornalística eletrizante, que contribui para a reconstituição do clima dos acontecimentos e de sua repercussão na época. Os autores narram o caso dos Irmãos Naves - que viria a se tornar conhecido como um dos maiores erros judiciais da história; o crime do Sacopã, um mistério policial na então tranqüila zona sul do Rio de Janeiro; descrevem a trajetória da Fera da Penha, um caso verídico com sabor rodriguiano.Em Dana de Teffé: o Crime sem Cadáver", a crônica revive um dos casos que mais sensibilizaram o País, envolvendo uma conhecida figura da alta sociedade cujo desaparecimento continua misterioso até os dias de hoje. O livro segue com o arrepiante caso de Chico Picadinho, que ainda cumpre pena por seus assassinatos bárbaros. Por fim, "O mistério do desaparecimento de Carlinhos", que se tornou um dos assuntos policiais mais célebres dos anos 70.A obra é uma coletânea organizada pelos jornalistas George Moura e Flavio Araújo, com reportagens de Marcelo Faria de Barros e Wilson Aquino. Eles se basearam em casos apresentados pelo programa Linha Direta - Justiça, exibido pela Rede Globo de Televisão.Os casos policiais mostrados nesse livro, que cobre boa parte do século XX, representam a imagem de uma época. Seu resgate possibilita a leitores de todas as idades reviverem os mistérios que chamaram a atenção do Brasil no passado: oportunidade para reflexão num momento em que a cobertura jornalística da violência urbana é mais do que nunca uma necessidade.

Skoob - Amazon

Casos de Família
O assassinato do casal Richthofen e de Isabella Nardoni foram reunidos em um só livro e trazem novos detalhes observados por quem estava nos bastidores. A criminóloga Ilana Casoy, em CASOS DE FAMÍLIA: ARQUIVOS RICHTHOFEN E ARQUIVOS NARDONI, abre pela primeira vez seus cadernos de anotações utilizados durante a pesquisa na Polícia Civil, Científica e Ministério Público dos dois crimes, tudo isso com a qualidade quase psicopata de edição, uma marca registrada de todos os títulos da DarkSide® Books.

A pedido da editora, Ilana Casoy mergulhou em suas anotações particulares que está de volta com mais uma luxuosa reedição de suas obras, incluindo os inéditos fac-símiles de seus cadernos secretos. Primeira autora nacional da DarkSide®, Ilana traz para seus leitores o mistério desvendado de comentários originais dela mesma no desenrolar dos acontecimentos e descobertas. Além de acompanhar passo a passo o rumo das investigações e julgamento dos assassinos que romperam a linha da lei e do sagrado, os sentimentos e dúvidas da autora ficam agora expostos ao público.

Em “Arquivos Richthofen” o leitor vai acompanhar o comportamento dos três assassinos — as contradições e os erros decisivos; a distância de Suzane ao relatar os fatos, o descontrole de seu namorado Daniel na reprodução simulada do crime, os depoimentos e técnicas de investigação da polícia, dos médicos legistas, peritos e especialistas, que não deixaram outra alternativa aos culpados que confessar os assassinatos brutais. A grande novidade fica por conta da transcrição inédita do emblemático debate entre acusação e defesa, com o objetivo de oferecer os detalhes do julgamento nunca publicados.

Em “Arquivos Nardoni” o mergulho é em um dos casos criminais mais polêmicos já ocorridos no Brasil, que contou com um qualificado trabalho da polícia técnico-científica — única “testemunha” do crime. Ilana reconstrói os cinco dias do julgamento de Alexandre Nardoni e Ana Carolina Jatobá, pai e madrasta de Isabella de Oliveira Nardoni, condenados pelo assassinato dela. A autora foi colaboradora do Ministério Público, que, com a ausência da confissão dos réus, trabalhou com provas periciais irrefutáveis para confrontar a versão do casal no tribunal do júri.

Skoob - Amazon

A Sangue Frio
A publicação inaugurou o jornalismo literario. A história foi pubicada pela primeira vez no New York Times em 1965, o livro só foi publicado após a execução dos acusados, ficando no top 10 dos mais vendidos do jornal.

Um homem religioso, uma mãe depressiva, um adolescente, uma garota dona de casa, um cachorro amedrontado e dois ladrões frustrados. Esses e outros personagens são os ingredientes chave para o romance jornalístico A sangue frio, de Truman Capote. 

O livro é uma reportagem investigativa sobre o assassinato de quatro membros da família Clutter, o casal e seus dois filhos caçulas, ocorrido em 1959 na cidade de Holcomb, no Kansas, Estados Unidos.

Skoob - Amazon