sábado, 27 de junho de 2015

[Livro] O Último Homem do Mundo - Tais Cortez

Um romance leve que te faz lembrar das novelinhas juvenis da TV, um drama sem muitos picos, alguns inimigos e uma paixão avassaladora para apimentar. Ambientado no Colégio Educação de Elite, Amanda encontra naquele lugar os valores que tinham ficado esquecidos após a morte de seu pai. Carente e revoltada a única coisa que Amanda queria era chamar atenção da mãe Patrícia Oliveira, atriz famosa que mal tem tempo de ver a filha e cumprir suas promessas.

Matriculada contra vontade ela vai tentar de tudo para ser expulsa de mais um colégio e mostrar de uma vez por todas que não vai obedecer o que Patrícia ordenar. Ricardo e Mariana é o casal mais badalado do colégio e claro vão se tornar os inimigos número 1 de Amanda. Maíra e Paulina são suas colegas de quarto e vão tentar colocar um pouco de juízo na cabeça da garota.

A história vai se desenrolando e o que o leitor percebe é o quanto Amanda é carente e machucada pelas pessoas, apesar das armações ela demonstra ser uma menina carinhosa e que gosta de ajudar as pessoas. Ricardo é outro que se revela bem carente, filho de um empresário que acha que dinheiro pode comprar tudo, amor é a única coisa que ele precisa, mas se esconde atrás de uma armadura de garoto fútil e frio.

Acho que eu não preciso contar mais detalhes da história que vocês já devem imaginar o que vai acontecer, talvez esse seja o maior defeito das histórias da Tais Cortez, suas narrações se assemelham muito com as suas inspirações, até mesmo os detalhes. Assim como em Golfinhos e Tubarões, livro da mesma autora, tive a sensação de ler uma fanfic e não era isso que eu buscava, ou não era isso que o livro sinalizava.

A narrativa é leve de fácil leitura, a escrita é bem fluida, os capítulos são curtinhos o que só deixa a leitura mais ágil. A autora tem todo um jeito de escrever que conquista qualquer leitor, por isso tenho tanto prazer em participar de seus projetos e acredito no talento dela para escrever histórias que se distanciem de suas inspirações. Recomendo para quem gosta de uma história leve com exemplos de amizade e solidariedade.

bonne nuit, bonne chance

5 comentários:

  1. Oii, Neyara
    Obrigada pela resenha!
    Agradeço suas criticas e elogios! E fico feliz q tenha prazer em conhecer meus livros e acredite em mim!
    Q venha o terceiro rss
    Bjssss
    e sucesso ao blog!

    ResponderExcluir
  2. AINDA NÃO LI E FIQUEI CURIOSA.
    Sabe que não curto os luduranas, não dou sorte é sempre fake!
    Ótima semana para vc!
    Obrigada pela visita
    Beijos Coloridos!!!♥♥♥Ótima semana para vc!
    Obrigada pela visita
    Beijos Coloridos!!!♥♥♥

    ResponderExcluir
  3. Nossa, que profundo o título desse livro, adorei. Não conhecia, mas sua resenha ficou ótima e até me deixou com vontade de ler :)

    www.vivendosentimentos.com.br

    ResponderExcluir
  4. Nunca li nada da Tais Cortez. Gosto de livros leves para ler entre uma leitura mais densa e outra. Acho que gostaria desse livro, gosto bastante de leituras levinhas envolvendo amizades.
    Sobre a sensação que os livros dela te trazem só poderia afirmar lendo para conhecer melhor a narrativa da autora.
    Bjuxxxx

    ResponderExcluir
  5. não conheço essa autora mas achei a história bem clichê.

    sim, realmente não se deve. o que muitas bailarinas fazem é quebrar duas sapatilhas ao mesmo tempo (usar um par um dia e outro par em outro) pra ter um segunda opção no dia da apresentação se um dos pares quebrar (morrer). todo o cuidado é pouco porque se as sapatilhas morrerem no dia da apresentação, não dá pra sair e comprar um par novo.

    ResponderExcluir