sexta-feira, 13 de setembro de 2013

[Cinema] Somos Tão Jovens

Somos tão jovens é um filme que merece ser ouvido. Se engana quem pensa que o filme vai mostrar toda a trajetória da Legião Urbana, aliás o filme acaba exatamente quando a banda vai fazer o seu primeiro show no Circo Voador, local de referência para a cena independente. Somos tão jovens conta a história de Renato, um garoto que acabou de sair do Rio para ir morar em Brasília, o centro de toda a confusão do regime militar.

Depois de um acidente de bicicleta, Renato passou alguns meses na cadeira de rodas, trancado em casa começou a se interessar por música, descobriu o punk rock, estilo de música revolucionária que denunciava os problemas sociais dos EUA, e que logo se expandiu para o mundo todo. No ápice do regime militar, Renato também queria criticar o sistema, criou então o Aborto Elétrico, banda formada com o e Flávio Lemos que depois virou o Capital Inicial (Dinho lindo, wooo). Depois de brigas com o , Renato resolve sair da banda e tenta fazer carreira solo, mas sem sucesso, resolve montar a Legião Urbana, o que garante o seu estrelato.

O filme é bem fraquinho, o Renato é um chato, cheio de frescuras e mimimi's, acha que é o dono da razão e pode fazer o que quiser. Gosto das músicas do Renato (tanto Legião como Aborto), mas não gostei de conhecer o Renato, sempre achei que ele fosse p**** louca igual o Cazuza, e não um franguinho mimado.

Achei bem interessante a maneira que eles colocaram as músicas no filme, sempre tinha um gancho na história, como se mostrasse de onde ele tirou a inspiração para fazer aquela música, o que deu mais emoção as músicas, alguns ganhou até um novo significado, ficou muito interessante. A atuação do Thiago Mendonça tá incrível, a voz ficou muito parecida e os trejeitos, não deixou nada a desejar, nada mesmo.



Ainda é cedo foi uma das músicas que ganhou outro significado, no filme ele escreve ela para pedir desculpas para Ana Cláudia, uma grande amiga que sempre esteve do lado dele, apoiando e motivando para que ele continuasse e pudesse se encontrar. Era ela que sempre conseguia as fitas (o que é o CD hoje) das bandas, limpava suas lágrimas e arrancava sorrisos dele. Então ele pisou na bola várias vezes e ela cansou, e ele faz essa música pra ela desculpar eles. #chorai


Ela também estava perdida
E por isso se agarrava a mim também
E eu me agarrava a ela
Porque eu não tinha mais ninguém
(Ainda é cedo - Legião Urbana)

Um comentário:

  1. Eu não cheguei a ver esse filme, mas pelos treilers parecia mesmo que ele era tipo um cazuza. Que coisa chata. As vezes é ruim conhecer a fundo as pessoas hehehe ;P

    ResponderExcluir